Atividade do setor de serviços no Brasil cresce a 52,7 pontos em janeiro.

servicos 060220
O Índice de Atividade de Negócios no setor de Serviços brasileiro (ou índice dos gerentes de compras de serviços, PMI na sigla em inglês) subiu de 51 pontos em dezembro para 52,7 pontos em janeiro, o que indica uma expansão mais rápida no volume de produção na análise dos últimos sete meses (todos registrando crescimento).

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pela IHS Markit. Registros acima de 50 indicam crescimento e, abaixo, retração da economia.

A atividade de negócios cresceu em todas as categorias monitoradas, com exceção de Transporte e Armazenamento. Dos quatro subsetores onde se observou crescimento nas vendas, o de Finanças e Seguros teve o melhor desempenho.

Na pesquisa, as empresas de serviços se mostraram otimistas em relação ao crescimento da atividade nos próximos doze meses. Investimentos, aumento do número de clientes, um cenário econômico favorável e reformas das políticas governamentais foram algumas das razões citadas para o clima de otimismo.

“A criação de empregos e as taxas de juros mais baixas impulsionaram o consumo. As vendas foram geradas principalmente no mercado interno. O nível de empregos e a atividade de negócios do setor de serviços se expandiram a taxas mais rápidas, uma vez que as empresas se sentiram bastante otimistas em relação às perspectivas de crescimento”, avaliou no relatório Pollyanna De Lima, economista da IHS Markit.

Criação de empregos
O Índice Consolidado de dados de Produção cresceu e atingiu 52,2 (50,9 em dezembro), um recorde de alta de quatro meses. O aumento deveu-se principalmente a uma recuperação mais rápida na atividade de serviços.

Ficaram evidentes aumentos mais rápidos na entrada de novos trabalhos tanto no setor industrial quanto no de serviços, com este último tendo tido o melhor desempenho. Como resultado, as vendas consolidadas se expandiram a um ritmo acentuado, o mais forte desde março do ano passado.

O nível de empregos no setor privado cresceu no início do ano, após uma estagnação em dezembro. O ritmo de criação de empregos foi modesto, mas o mais rápido desde outubro de 2019.

A inflação de preço de insumos atenuou-se em relação ao recorde de alta de quatorze meses registrado em dezembro, mas permaneceu elevada no contexto dos dados históricos para a pesquisa.

PMI Industrial
Na segunda, 3, a IHS Markit havia divulgado o PMI do setor industrial brasileiro, que também apontou crescimento: foi de 50,2 pontos em dezembro para 51 em janeiro.

“Embora o setor industrial tenha permanecido em território de expansão, foi a economia de serviços que deu o principal impulso ao crescimento do setor privado em janeiro”, afirmou a economista da IHS.

CRÉDITOS: https://www.euqueroinvestir.com/setor-de-servicos-impulsiona-crescimento-no-brasil-em-janeiro-pmi-marca-527/. Por Cláudia Zucare BoscoliCláudia Zucare Boscoli 08:01 de 05/02/20. Crédito: Reprodução/Pixabay

COMUNICADO-FESESP-NOVO3